É nisto que somos bons

Infelizmente, nem todos o sabem e se calhar muitos não querem saber.

Desde que recentemente surgiu a ideia de não deixar passar em branco os Paralímpicos 2008 no Second Life, me perguntei como poderiamos fazer algo ao mesmo tempo cultural, educativo e que representasse um verdadeiro tributo aos jogos e a todos os seus atletas.

E simultaneamente, comecei a verificar a pouca informação e até mesmo motivação da maioria dos portugueses, não obstante termos uma “carreira gloriosa” em medalhas paraolímpicas trazidas pelos nossos atletas. O ano passado foram 6 medalhas de ouro. Pode parecer pouco… mas não é preciso muito para ver que efectivamente, e apesar dos brilhantes atletas olímpicos que temos, as prestações portuguesas nos Paralímpicos têm superado e muito qualquer prestação nos Jogos Olímpicos. E no entanto, enquanto que todos conhecemos pelo menos o nome de um ou dois atletas olímpicos, poucos conhece-mos o nome ou ouvimos falar dos nossos atletas paralímpicos, muitas vezes recordistas, medalhados e campeões do mundo.

E hoje, infelizmente, ainda confirmo as minhas suspeitas: por muito boa que seja a nossa prestação nos Jogos, muitos media acabam por nem sequer falar disso. É com dificuldade que tento acompanhar os Jogos desde que começaram. Salve-se o resumo do dia que passou ontem na RTP2, ainda não consegui perceber se alguma das televisões portuguesas está a passar directos. A rádio que costumo ouvir pela manhã, para tristeza minha, nem sequer mencionou o resumo da noite (nem no seu programa desportivo)  e foi preciso chegar ao trabalho para com uma pequena pesquisa ver que a prestação dos nossos atletas continua muito boa, sendo que muitos encontram-se já em finais.

Tudo isto confirma um pouco as minhas suspeitas: os media preferem falar do 4-0 à Malta numa fase inicial duma qualificação para um campeonato de em futebol, do que falar dos atletas que contra todas as adversidades lhes foram impostas, muitas vezes à nascença, lutaram e lutam contra isso todos os dias, e superam-se a si mesmos.

Por tudo isso, decidimos fazer um tributo aos Jogos Paralímpicos e aos seus atletas. E como é uma plataforma global de comunicação, usamos o Second Life para tal. Organizou-se uma exposição: seleccionaram-se media e videos, reuniram-se informações sobre as diversas modalidades. E montou-se tudo naquela plataforma que todos conhecemos. Porquê? Porque nenhuma outra, nem nenhum local RL, permitiria que o conhecimento e informação chegasse a todo o mundo. E muito menos que, no meio dos preparativos,  me surgi-se na frente o treinador duma equipa paralímpica. Ou melhor, duma equipa paralímpica que falhou por pouco a presença nos Paralímpicos. E que ali mesmo ficasse a conhecer o treinador da equipa nacional francesa, que aceitou desde logo falar com todos das suas experiências e das dos seus atletas. Vai ser amanhã, dia 9, pelas 21h, na “Conference Room” da Galeria principal dos Paralímpicos no Second Life.

“My experience as french national paralympics team coach” -9th September, 2 SL PM.

Isto sim são as possibilidades imensas do Second Life (R). E tal como o Second Life tem servido muitas vezes obter maiores conhecimentos… aproveito para avisar amigos e conhecidos e leitores deste blog, que aqui, à semelhança do que estamos a fazer inworld,  vai se falar e muito de paralímpicos durante as próximas semanas. Seja em vídeos, links ou simplesmente anunciar quais  as prestações da delegação nacional e onde irem ver informações dos nossos atletas e dos jogos em si.  A exposição SL tende a ser dinâmica, ou seja, além das Infos gerais que já inauguraram, irá existir uma actualização constante de resultados, videos com as prestações, ligação á TV em directo dos Jogos… ou seja, um local onde sabem que podem procurar toda a informação sobre os jogos.

E falar de nomes, de feitos, e quem sabe medalhas. Mas saber que se não vierem, já é um vitória que estes atletas que se levantam todos os dias enfrentam o mundo, as suas adversidades, e superam-nas. Com o simples desejo de ir mais longe… ou provar que não são menos que ninguém.

Convidamos desde já todos a participarem.  Seja aqui, seja inworld, seja tendo um pouco de interesse e curiosidade…e perguntar a um amigo se sabe da prestação dos portugueses nos Paralímpicos.

ps. Prova da minha (nossa) ignorância?  Quantos sabem que a treinadora da equipa sueca masculina de basquetebol em cadeira de rosas (actualmente a disputar os paralímpicos)  é portuguesa? Porque ninguém fala dela?

Ainda bem que gosto de falar e debater… sempre vou aprendendo mais qualquer coisita todos os dias.

Notas:

Podem ir acompanhando aqui no Record os Paralímpicos, o que me pareceu ser o “dossier” mais completo dos media nacionais.

E obrigado à Gwyn e ao Palup, por terem publicado nos blogs, Geta e Discursos   respectivamente, esta iniciativa.

2 Responses to “É nisto que somos bons”

  1. Naima Aya Says:

    Vou dar lá uma passadinha😀

  2. Sonya Says:

    Afro, o site do Infodesporto (sapo) também está mais ou menos. Mas de facto a imprensa nacional prefere dar enfâse a outras modalidades ou a outros eventos… é o país que temos, infelizmente digo eu.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: