Distorção cognitiva

Da elaborada síntese,
Eis que surge,
O manifesto, o esboço,
de forma muito inesperada,
como que perdida pela estrada.
Riscado de uma grafite,

brilhante e deslumbrante.
Onde surge o infinito
da matéria compactada
Onde nasce o Big Bang,
somente em quantidades definidas.
Apenas em números inteiros,
Proporcional ao liquido
Do meu tinteiro.

Não, não é apenas
uma vontade condimentada
nem uma ideia inventada.
Nem uma gramática semântica,
ou uma equação quântica.
É apenas um sentimento que,
aflora pela pele,
Um sentido puro,

Quando…
No inicio de tudo…
Ele aparece,
Ele que surge de rompante
e serpenteia pela mente,
este sentimento demente.
Que causa o movimento impulsivo,
E o pensamento conclusivo.
Do gesto às palavras,
perdura o incitável,
O verso doce,
A palavra que embala,
O gesto que não acaba.

Entendes agora porque
é insustentável o sentimento
de tornar o momento,
Um infinito desejo de bem estar?

Plena de Amor, plena de paixão…
Delineada em contornos,
Rabiscos e coriscos,
reservada em palavras e actos
Mesmo quando é do conhecimento,
ela que retrata a alegria,
reflecte a magia
no sentimento breve da demagogia,
Que causa o sorriso que contagia.
Escondida dentro de mim (ou bem visível)…
Mesmo que eu pudesse,
Como evitar?
Como dedilhar?
Como deixar-se não encantar?

Que bela visão fica guardada,
antiga e persistente,
ao tempo, ainda presente.
neste turbilhão de desejos,
Embebida na mão da tempestade.

Pergunto…
Que palavras poéticas
teriam melhor ética?
Que palavras
seriam mais susceptíveis à atenção,
que sentir essa brisa suave que bate no coração.

Verbalizo o desejo,
Incandescente
e cruel como o sentido exacto,
Enquanto ato e desato,
As sílabas que fluem,

Imagino e decifro
O voo, a viagem.
Assim tão brusca, assim tão elementar
e faço deste monólogo
o centro irónico
deste universo,

E….

Enquanto penso,
O mundo gira,
regendo-se as suas Leis.
Pactuando,
na forte curvatura da carne
e da letra que descreve,
o encontro ao cabelo,
ou na noite.

Será…

No ombro azul da noite?

* Distorção cognitiva – acto de distorcer, adj., relativo à cognição. s. f., acção de adquirir um conhecimento.

Joana (2006)

2 Responses to “Distorção cognitiva”

  1. Afro Says:

    Temos poeta?😉

  2. tpglourenco Says:

    como que perdida pela estrada.
    Riscado de uma grafite,
    Do gesto às palavras,
    perdura o incitável,
    O verso doce,
    A palavra que embala,
    O gesto que não acaba.
    Um infinito desejo de bem estar?

    Plena de Amor, plena de paixão…


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: